“Consequência da falta de gestão”, critica Wilker após Governo informar que pagamento das promoções da Polícia Militar só em 2022

Em reunião com deputados estaduais da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), nesta quinta-feira, 13, o Comandante-Geral da Polícia Militar do Estado do Amazonas, Coronel Ayrton Norte, disse aos parlamentares que o pagamento das promoções dos oficiais da Polícia Militar, que receberam a promoção na carreira, no mês de fevereiro deste ano via Diário Oficial (DOE), só sairá do ‘papel’ e seguirá para o contracheque da corporação a partir de 2022. Para Wilker Barreto (Podemos), a categoria foi iludida e a ação está rendendo prejuízos.

 “O comandante confirmou que quando o governador deu o aumento, sabia que não pagaria em 2021. Ora, como é que ele dá as promoções, publica em Diário Oficial, e depois republica dizendo que os efeitos financeiros são para janeiro de 2022? Em nenhum momento, ele falou para a tropa que os efeitos seriam para o outro ano, e hoje temos major na reserva ganhando como tenente na ativa”, criticou Barreto.

Resultado do requerimento da convocação feita pelo deputado Wilker Barreto, a reunião ainda revelou que o Governo do Amazonas vai reeditar o decreto do dia 16 de fevereiro, que concedia as promoções a 1.314 policiais na próxima terça-feira, 18. Diante disso, o deputado afirmou que irá buscar soluções para amenizar o impacto à PMAM.

“Isso é grave e nós vamos convidar a Casa Civil e a Procuradoria Geral do Estado (PGE) para encontrarmos uma solução, pois eu entendo que os efeitos da Lei Federal nº 173 não alcança a lei anterior. Isso é a consequência de quando você não faz gestão”, ponderou o parlamentar.

Abono fardamento

Outra cobrança feita pelo parlamentar foi o pagamento do abono fardamento aos policiais militares. De acordo com coronel Norte,  o benefício começará a ser pago a partir do mês de junho. Wilker Barreto frisou que irá acompanhar e fiscalizar a ação.  “Segundo o comandante, o governo prometeu pagar em junho e ficaremos atentos em relação à isso, porque eu falei que o problema do Governo não é orçamento, é gestão”, finalizou.