Ação de improbidade administrativa impõe bloqueio de bens ao presidente da CNC

O Ministério Público do Amazonas (MPAM), por meio da 70ª Promotoria de Justiça do Patrimônio Público, obteve, na Justiça decisão que impôs o bloqueio de bens do atual presidente da Confederação Nacional do Comércio. A decisão interlocutória foi proferida pelo Juiz Ronnie Frank Torres Stone na ação de improbidade nº 0815867-14.2020.8.04.0001. Além do presidente da CNC, a indisponibilidade de bens decretada atinge também Simone de Souza Guimarães e Tropical Comércio de Derivados de Petróleo Ltda, nos valores dos contratos firmados entre o Serviço Social do Comércio no Amazonas com a Tropical Comércio de Derivados e Petróleo Ltda e com SBA Engenharia Ltda, até o montante de R$ 7.292.054,04.

O SESC/AM firmou contrato de locação no valor de R$ 18 mil pelo período de 24 meses, com início em 02/02/2015 e término em 01/02/20217, com a empresa Tropical Comércio e Derivados e Petróleo Ltda. Para a reforma desse prédio, foi firmado contrato com a empresa SBA Engenharia Ltda, no valor de R$ 619.955,31 e com prazo de 210 dias, contados do início da execução da obra.

Contratação da empresa para locação do prédio

A locação de imóvel na área do centro de Manaus visava atender as atividades do Centro de Educação (idiomas e EJA) da entidade, pelo período de 24 meses, em razão de o antigo local onde as atividades eram desenvolvidas encontrar-se em reforma.

O Processo de escolha de imóvel ocorreu por meio de dispensa de licitação. Após a pesquisa de preços de mercado e vistoria em três imóveis, o SESC/AM entendeu que o imóvel escolhido, de propriedade da Tropical Comércio de Derivados de Petróleo Ltda, apresentava vantagem técnica e econômica para o atendimento de suas atividades.

Investigação

À época da locação, José Roberto Tadros era Presidente do Sesc/AM e sócio majoritário da Tropical Comércio de Derivados de Petróleo Ltda. Atuou, portanto, simultaneamente como locador e locatário.

Durante a investigação, a Secretaria de Controle Externo no Amazonas (SECEX/AM) constatou as seguintes ilegalidades praticadas pelo José Roberto Tadros, como, violação do princípio da publicidade, celebração do contrato de locação com empresa de sua propriedade e violação do princípio da eficiência. Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Imprimir Notícia

Últimas Notícias

MPAM ajuíza ação para obrigar Prefeitura de Lábrea a concluir construção de creches, paralisada há 6 anos
Notícias 
O Ministério Público do Amazonas, por meio da Promotoria de Justiça de Lábrea, ajuizou Ação Civil Pública com…MPAM obtém condenação de réu a mais de 27 anos de prisão
Notícias 
O Ministério Público do Amazonas, pela 20ª Promotoria de Justiça do Júri, obteve, na última quinta-feira, 15/07,…MPAM investiga denúncia de nepotismo contra vereador de Manaus
Notícias 
O Ministério Público do Amazonas, por meio da 77ª Promotoria de Justiça Especializada de Proteção ao Patrimônio…MPAM realiza inspeção em Centro de Detenção Provisório de Manaus
Notícias 
O Ministério Publico do Amazonas, por meio da 24ª Vara de Execuções Penais, realizou na manhã da última…

*Com informações do MPAM