40% das marcas periciadas de fios e cabos elétricos de baixa tensão são reprovados em Manaus

Manaus-Am O consumidor amazonense deve ficar atento na hora de comprar fios e cabos elétricos de baixa tensão. De acordo com o Governo do Amazonas, por meio do Instituto de Pesos e Medidas do Amazonas (Ipem-AM), autarquia estadual e órgão delegado do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), cerca de 40% por cento das marcas desses itens coletadas do comércio local e nacional foram reprovadas na manhã desta quinta-feira (19/08), após perícias realizadas no laboratório do órgão.

A ação teve por objetivo verificar se os produtos atendem a legislação do Inmetro, como informou o diretor-presidente do Ipem-AM, engenheiro Márcio André Brito. “Fios e cabos são produtos certificados e só podem ser fabricados e comercializados com a devida certificação”, disse.

Durante uma semana, o Ipem coletou produtos de todas as marcas que são praticadas no estado do Amazonas, marcas locais e nacionais.

“Realizamos todas as perícias e identificamos cerca de 40% dessas marcas reprovadas. Isso significa um risco em potencial. A principal matéria-prima do fio e cabo é o cobre, e o que nós identificamos é a substituição do cobre pelo ferro, que é um produto muito mais barato, gerando grandes riscos em uma residência, como curto-circuito, superaquecimento, inclusive um possível incêndio”, acrescentou o presidente do Ipem no Amazonas.

Foram coletadas e periciadas sete marcas – TopCables, AmazonCabos, Luzzano, FlexCabos, Tekfio, Nortcabos e Total Flex –, sendo reprovadas as marcas Luzzano, Tekfio e Total Flex, por estarem irregulares e com material de baixa qualidade, fora das especificações do Inmetro.

Fiscalização 4.0 – O Ipem-AM está inovando as fiscalizações com uma nova tecnologia, utilizando o microhmímetro, capaz de avaliar a qualidade do material empregado na fabricação dos fios e cabos. A ação leva em conta que os itens são parte importante na instalação elétrica de um imóvel e que, se adquiridos de forma irregular, podem gerar aumento do consumo de energia elétrica e superaquecimento na fiação, podendo até provocar incêndio.

As empresas com produtos irregulares serão autuadas, e terão prazo de dez dias para apresentar defesa junto ao órgão. As multas podem chegar a R$ 1,5 milhão.

Em 2020, o Ipem-AM fiscalizou 2.498 amostras de fios e cabos elétricos de baixa tensão, das quais 1.102 unidades foram interditadas por apresentar irregularidades, como a baixa quantidade de cobre no produto.

Ouvidoria – O consumidor pode entrar em contato com a Ouvidoria do Ipem-AM e fazer denúncias, reclamações, tirar dúvidas ou enviar sugestões, bastando ligar no número 0800 092 2020, que funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 14h, ou enviar mensagem pelo Fale Conosco no site do órgão: www.ipem.am.gov.br.

FOTOS: Alexandre Vieira/Ipem-AM